Fornecer benefícios é uma excelente forma de manter os colaboradores motivados e engajados em suas funções. Os benefícios são importantes para melhorar a qualidade de vida no trabalho, o que, consequentemente, aumenta a produtividade e melhora os resultados da empresa.

Os profissionais qualificados buscam cada vez mais trabalhar em empresas que se preocupam com seu bem-estar e saúde no trabalho, entretanto, é fundamental que essa prática seja vantajosa tanto para a empresa quanto para os profissionais.

Para isso, é importante que se faça uma boa gestão de benefícios. Nesse artigo vamos apresentar 4 práticas fundamentais para realizar uma boa gestão de benefícios aos funcionários. Confira!

Adote benefícios que favoreçam a todos

A primeira prática para uma boa gestão de benefícios é fornecer opções que sejam boas para a maioria dos trabalhadores. Devemos considerar que em uma empresa, existem profissionais com necessidades e vontades diferentes.

Benefícios comuns como seguros, planos de saúde, vale-transporte e vale-alimentação geralmente atendem as necessidade de todos os funcionários. Optar por tais tipos de benefícios costumam garantir que todos sejam favorecidos de alguma maneira, mas, fornecer algo personalizado, certamente, terá um impacto surpreendente nos seus colaboradores.

Na hora de eleger os benefícios empresarias que serão oferecidos à sua equipe, o gestor tem que considerar que existem dois gêneros de benefícios: aqueles que compõem a própria estrutura do cargo ocupado — e que são oferecidos indistintamente a todos os colaboradores daquela função — e os benefícios que visam premiar um desempenho diferenciado de certo trabalhador, contemplando o mérito, por exemplo.

No primeiro caso (benefícios oferecidos indistintamente), o ideal é que a cartela de comodidades fornecidas seja do tipo mais genérico ou impessoal, como os planos de saúde, plano odontológico, ticket alimentação, previdência privada, entre outros.

Já na hipótese do gestor incluir na política de benefícios empresariais, vantagens destinadas a recompensar um esforço ou desempenho diferenciado dos seus funcionários, aí vale optar por espécies mais individualizadas ou personalizadas, por exemplo.

Neste último caso, vale ficar atento somente para não errar na escolha do prêmio. Um par de ingressos para um show de rock pode ser um benefício fantástico para os amantes do referido estilo musical, ao passo que para quem não o aprecia, será pouco atraente. A dica aqui é fazer uma consulta à equipe (por meio de questionários, por exemplo) e deixar esses dados guardados junto à ficha funcional.

Surpreender seus colaboradores com vantagens escolhidas especialmente para eles trará resultados incríveis na satisfação e motivação da sua equipe!

Garanta flexibilidade

É difícil conseguir atender as necessidades específicas de cada colaborador. No entanto, uma alternativa é oferecer diversas opções de benefícios adicionais que podem ser escolhidos pelo próprio funcionário.

Nesse caso, a empresa traz diversas opções para a escolha do trabalhador, que por sua vez, poderá escolher por algum plano de saúde empresarial ou plano odontológico, curso de idiomas, previdência privada, vale refeição ou vale alimentação, adicional de produtividade, jornada flexível, plano de carreira, etc.

Com essa flexibilidade de escolha, cada profissional pode optar por um determinado tipo de auxílio oferecido de acordo com sua necessidade. Isso aumenta as chances do trabalhador se sentir satisfeito, e a política de benefícios da empresa atender às suas reais demandas.

Aqui, é importante frisar que os benefícios empresariais não precisam ser necessariamente coisas ou vantagens apreciáveis economicamente, ou em dinheiro.

Os profissionais, principalmente aqueles da chamada “Geração Y”, não estão mais em busca apenas de bons salários. Eles desejam gozar de um pouco mais de autonomia dentro da empresa e ter espaço para expressar suas opiniões e sugestões, interferindo ativamente na tomada de decisões pelo gestor.

Assim, uma forma de garantir mais satisfação para esse novo contingente de mão de obra é fornecer uma jornada flexível ou criar um plano de carreira, por exemplo. Se a atividade realizada permitir, conceda a oportunidade do colaborador executar suas funções no horário em que rende mais: isso trará vantagens para ele e para a empresa — que contará com um profissional mais produtivo, evitando o chamado “presenteísmo”.

Já o plano de carreira, além de representar uma vantagem para os trabalhadores — que têm a oportunidade de crescer profissionalmente dentro da empresa — também auxilia a organização a combater um dos principais problemas corporativos, a evasão de talentos ou turnover.

Avalie os retornos para a empresa

Uma boa gestão de benefícios envolve considerar os retornos que o programa traz para a empresa. Por isso, é necessário avaliar quais as vantagens o plano de benefícios traz para a organização.

Depois de aplicado, é importante mensurar se o programa realmente está trazendo algum retorno para a empresa. Caso não esteja, é fundamental repensar a política de benefícios, para garantir que ela favoreça tanto os funcionários como a própria organização.

Para ser eficaz, a política de benefícios precisa ser bem estruturada. Para tanto, é preciso avaliar alguns dados antes de eleger quais vantagens serão oferecidas aos trabalhadores. Como exemplos dessas etapas, podemos listar:

  • avaliar o orçamento disponível para a política;
  • realizar uma pesquisa para ouviras predileções dos colaboradores;
  • visar benefícios que desenvolvam e qualifiquem o funcionário para diferentes áreas ou projetos da empresa.

Defina regras para a gestão de benefícios

Para fazer uma boa gestão de benefícios é importante definir as regras de utilização e acesso aos benefícios. Além disso, é fundamental que todos os funcionários sejam informados sobre os benefícios que possuem e como podem ter acesso a eles. Com isso, nenhum trabalhador é prejudicado por falta de informação ,e assim podem esclarecer eventuais dúvidas.

Aqui, vale usar da comunicação interna empresarial para manter toda a equipe informada sobre as condições de gozo das vantagens oferecidas.

Ao definir regras claras, a empresa garante que a política de benefícios seja justa e atenda as necessidades dos funcionários de maneira correta. Portanto, discuta qual a melhor maneira de aplicar o plano de benefícios e estabeleça um regulamento para isso.

Não se esqueça também de que a política de benefícios deve se adequar à cultura organizacional e aos valores da empresa. Isso é fundamental para que a identidade da empresa não seja afetada. Com essas práticas, será possível fazer uma boa gestão de benefícios aos funcionários, contribuindo também para o desenvolvimento da empresa.

Quer saber mais sobre como aplicar uma gestão de benefícios para seus colaboradores? Entre em contato conosco e conte com nossa experiência