A falta de conhecimento sobre o setor fiscal é um grande problema de muitos gestores. Portanto, pensando em facilitar o seu trabalho, resolvemos escrever este texto que vai mostrar a você como calcular a folha de pagamento de todos os funcionários da sua empresa.

Afinal, pensar em todas as leis que regem o mercado pode tomar bastante tempo, além de ser muito complicado! Continue lendo este artigo e veja um passo a passo sobre o assunto, além de todas as tributações que precisam ser observadas.

Primeiros passos para calcular a folha de pagamento

Antes de tudo, a sua empresa precisa dividir os funcionários. Afinal, cada setor tem uma legislação específica, sendo regido por uma Convenção Coletiva. Logo, um colaborador que é regido pela categoria de comércio seguirá normas diferentes daquele que é regido pela categoria de indústria, por exemplo.

Feito isso, você deve verificar o livro de ponto de todos os trabalhadores, para calcular a folha de pagamento. Nessa análise, observe quantas horas foram trabalhadas no mês, se é preciso pagar por alguma hora extra ou por benefícios como adicional noturno, insalubridade, periculosidade, salário família etc.

Por fim, é preciso fazer uma última verificação, observando se o colaborador faltou durante algum dia do mês e se alguma das faltas foi justificada. Todas as ausências injustificadas devem ser proporcionalmente descontadas do salário bruto do funcionário.

Tributações para calcular folha de pagamento

Ao fazer esse cálculo, existem alguns impostos, taxas e encargos que devem ser levados em consideração. Alguns têm uma percentagem fixa, outros são variáveis de acordo com a quantidade de dias trabalhados, além das diferenciações feitas de acordo com as tributações municipais, estaduais e federais. Veja alguns deles:

FGTS

O Fundo de Garantia do Tempo de Serviço, ou FGTS, é um imposto que deve ser descontado em 8% do salário bruto. Ele é basicamente um fundo de indenização, que deve ser contribuído obrigatoriamente, mesmo caso o contrato de trabalho seja interrompido.

INSS

Ao calcular a folha de pagamento, o INSS também deve ser descontado do salário do funcionário, com uma porcentagem que varia entre 6,23% e 11%. Esse valor é destinado à aposentadoria, licença médica, pensão por morte e diversos outros benefícios assegurados pela previdência social.

13º Salário

O 13º salário representa um bônus de natal e toda empresa deve pagá-lo até o fim do ano de trabalho. O custo desse benefício é o de um salário do funcionário e deve ser calculado proporcionalmente, caso ele tenha trabalhado por um período menor que um ano.

Férias

Depois de trabalhar por um ano, todo trabalhador brasileiro tem direito a um mês de férias. Nesse período, o colaborador deverá receber um montante referente a um mês do seu salário, além de um terço dele. A taxa cobrada sobre a folha de pagamento é de 12,67%.

Risco de Acidente de Trabalho (RAT)

Essa tributação cobre as despesas e consequências relacionadas a algum acidente de trabalho. Sua taxação na folha de pagamento varia entre 1 a 3%, sendo que 1% é cobrado para as empresas que tenham baixo risco de acidentes de trabalho, 2% para as que tenham um risco médio e 3% para aquelas que ofereçam alto risco.

Depois de calcular a folha de pagamento, você saberá exatamente quanto cada funcionário custa para o seu negócio. À partir daí, analisar o custo-benefício da sua mão de obra fica muito mais fácil. Mas caso você ainda tenha alguma dúvida sobre o assunto, deixe sua pergunta nos comentários. Nós teremos prazer em responder!