Os benefícios nas relações entre funcionários e empregadores são muito importantes na cultura brasileira. Além disso, esse tradicional modelo vem permitindo a entrada de outros sistemas mais maleáveis que objetivam uma maior produtividade e custos mais baixos para os negócios. Conceder benefícios flexíveis é uma das alternativas que os empreendimentos vêm adotando.

Pensando em esclarecer qualquer dúvida sobre esse assunto, preparamos este post para que você entenda mais sobre eles. Então, continue lendo!

Os benefícios flexíveis

No tradicional modelo que as empresas criam e oferecem os seus pacotes, são estabelecidos exatamente o que os empregados receberão. São itens comuns que incluem seguro de vida, plano de saúde, algumas vantagens para a aposentadoria e opções de lazer.

Contudo, no momento em que a empresa faz a sua escolha pelo modelo de benefícios flexíveis, ela oferece um pacote de opções bem maiores e inclui possibilidades diversas das tradicionais.

Nesses casos, inclui-se auxílio-creche, medicamentos, cursos de idiomas, associação a academias e clubes, serviços de telefonia, entre vários outros. Então, cada trabalhador possui direito a escolher quais itens deseja receber desse amplo pacote.

Porém, a escolha normalmente sofre limitações, uma vez que, em geral, existe um sistema de pontos que limita as opções. O funcionário recebe, por exemplo, 500 pontos, e cada benefício pode valer entre 20 a 100 pontos. Dentro do seu limite, o empregado pode escolher os benefícios que lhe for mais conveniente, conforme as suas necessidades.

Vantagens e desvantagens dos benefícios flexíveis

Embora o sistema normativo brasileiro não seja bem favorável a esse modelo, ainda há questões importantes que podem justificar essa opção. Assim, confira as vantagens e desvantagens antes de optar por adotar esse modelo em sua empresa:

Vantagens

  • Proporciona a todos os empregados a possibilidade de escolha de quais benefícios se encaixam melhor às suas necessidades;
  • garante que todos eles estejam mais satisfeitos com os benefícios recebidos, independentemente de suas preferências pessoais;
  • é muito bom para as equipes jovens, entre 20 a 30 anos, uma vez que esses profissionais valorizam a liberdade de escolha;
  • aumenta a motivação da equipe, logo, melhora a produtividade e desempenho;
  • pode melhorar consideravelmente a atração e retenção de talentos;
  • reduz os custos por meio da monitoração do histórico das opções mais escolhidas pelos funcionários.

Desvantagens

A principal desvantagem desse modelo é a necessidade de uma rigorosa organização da equipe de Recursos Humanos da empresa e um amplo planejamento de como inserir essas opções. Sem o devido acompanhamento, o empreendimento fica suscetível a muitos riscos e pode ocorrer alguma complicação legal no tocante à validade do pacote oferecido aos empregados.

Dessa forma, adotar esse modelo de benefícios flexíveis pode ser um meio interessante de melhorar as estratégias de gestão de carreira do seu negócio. Esse modelo vem crescendo e vencendo a barreira de empresários mais resistentes. Contudo, para alcançar os melhores resultados, é essencial que sua implementação ocorra com toda atenção possível, a fim de evitar problemas ou riscos com a legislação ou com seus funcionários.

E aí, gostou do nosso texto sobre os benefícios flexíveis? Assine a nossa newsletter e fique por dentro de mais dicas e novidades!