As ações trabalhistas são recorrentes no nosso país e trazem diversos impactos para as empresas. No caso dos pequenos negócios, gastos com advogados e possíveis indenizações podem ser suficientes para trazer grandes danos e, inclusive, levar um empreendimento à falência.

Não se expor a esse risco é fundamental para garantir mais tranquilidade em relação aos funcionários e ex-colaboradores. Para não fazer parte das estatísticas e proteger a sua empresa, veja agora 5 dicas para evitar ações trabalhistas contra o seu negócio.

Sempre cumpra o que prometer

Um funcionário que se sinta ferido em seus direitos terá bons motivos para entrar com uma ação contra a sua empresa. Muitas vezes, a falta de comunicação ou o descumprimento de promessas fazem com que o colaborador se sinta enganado e se veja quase na obrigação de recorrer à Justiça.

Portanto, sempre aja com transparência: desde o momento da seleção de colaboradores, informando corretamente salário, benefícios e tudo mais relacionado ao emprego; passando pelo tempo em que o contratado trabalha para o seu negócio; até o momento de desligar esse colaborador. Ser transparente e cumprir tudo o que foi estabelecido contribui muito para prevenir ações trabalhistas.

Tenha atenção às convenções da categoria profissional

Os sindicatos sempre têm convenções estabelecidas para amparar os profissionais e dizer quais são os seus direitos e quais os deveres das empresas. Violar essas diretrizes significa abrir espaço para que o funcionário entre na Justiça a fim de fazer valer os seus direitos, e é nesse momento que a sua empresa pode sair no prejuízo.

A ajuda de um advogado e de um contador pode ser de grande valia, já que cada categoria profissional tem particularidades a serem obedecidas pelo empregador. Respeitar todas diminui a chance de uma ação trabalhista ocorrer.

Mantenha a qualidade de vida dos funcionários

Ambientes de trabalho insalubres ou atividades prejudiciais à saúde são motivos mais que suficientes para que o funcionário recorra à Justiça. A partir do momento em que a empresa não proporciona um emprego que respeite a qualidade de vida de um colaborador, este último fica propenso a pedir indenizações que compensem o dano que seu trabalho lhe causou.

Sempre ofereça condições dignas de trabalho e se atente a questões de insalubridade, trabalho de risco e equipamentos de proteção, se for o caso. Mais uma vez, vale ter atenção às atividades profissionais, para que tudo seja feito da maneira certa.

Busque a satisfação da equipe

Além de cumprir a lei, buscar a satisfação de seus colaboradores contribui para que eles percebam que não há motivos para moverem ações contra a sua empresa. A transparência, o respeito aos direitos e a manutenção da qualidade de vida devem vir também com a busca de um bom clima organizacional, que seja respeitoso e, principalmente, que faça sua equipe gostar de trabalhar.

Um funcionário satisfeito em seu trabalho dificilmente vai agir de má-fé. E ao ver que seus direitos foram respeitados, fica quase improvável que ele acione o seu negócio na Justiça.

Tenha bons profissionais no RH

A área de Recursos Humanos deve ser extremamente capacitada para não desrespeitar nenhuma regulamentação nem abrir espaço para que funcionários se sintam prejudicados. Isso significa que o RH deve ser competente e, em qualquer hipótese, cumprir o que a lei manda.

Com um RH eficiente, as contratações e demissões são feitas da maneira correta, diminuindo as chances de ações trabalhistas. O seu negócio fica mais seguro, já que toda a parte trabalhista será exercida por um time capaz. Sem isso, abre-se espaço para indenizações que poderão quebrar a sua empresa.

Falando na área de RH, que tal deixá-la ainda mais eficiente? Baixe nosso e-book Guia prático: tornando o RH estratégico com a otimização da gestão de benefícios!